O governo estuda reduzir as taxas de juros dos empréstimos consignados (aqueles com desconto em folha de pagamento) para servidores públicos, aposentados e pensionistas do INSS. A medida, de acordo com a Secretaria da Previdência, está na pauta da reunião do Conselho Nacional de Previdência Social, que deve acontecer no final deste mês.

Segundo o presidente da Cobap (Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos), ainda falta definir o percentual da redução que será aplicada.Essa modalidade de empréstimo é uma das opções mais baratas do mercado.Em março, o teto para os juros desse tipo de crédito para aposentados e pensionistas do INSS caiu de 2,34% para 2,14% ao mês e, para os servidores públicos e federais, de 2,5% para 2,2% ao mês.

O aposentado que pede o consignado precisa quitar o dinheiro emprestado em forma de parcelas, como em um empréstimo pessoal comum, com a diferença de que as prestações são descontadas diretamente do benefício.O valor a ser concedido leva em consideração o benefício mensal a que o aposentado ou pensionista recebe.De acordo com o Banco Central, o crédito consignado tem, atualmente, um estoque de R$ 302,4 bilhões, sendo R$ 284,3 bilhões destinados a servidores, aposentados e pensionistas.A proposta de corte das taxas do consignado deve acompanhar a redução da taxa básica de juros (Selic),que caiu ontem para 8,25% ao ano.