Até pouco tempo atrás, quando se pensava na contratação de um empréstimo bancário ou financiamento, automaticamente, a iniciativa estava relacionada à aquisição de algum bem. Ou seja, normalmente, o crédito seria utilizado para adquirir um carro novo ou fazer qualquer outro tipo de compra.

Porém, diante da dificuldade econômica atual pela qual o país está passando, impulsionada pela alta do desemprego, muitas pessoas estão em busca de uma linha de crédito que as ajudem a quitarem as dívidas atuais como, por exemplo, o limite do cheque especial ou o cartão de crédito.

Se você está no grupo dos servidores públicos, com certeza, vai fazer uma ótima escolha ao optar pelo crédito consignado em vez do pessoal, por exemplo.

E o motivo é simples. A taxa de juros do consignado é umas das mais baixa do mercado, o que faz você pagar menos.

No empréstimo consignado, a taxa de juros é de no máximo 3% ao mês, enquanto as taxas de cheque especial e cartão de crédito chegam a 15% ao mês e a do crédito pessoal gira em torno de 7% ao mês.

Outra vantagem deste tipo de empréstimo é que você consegue a aprovação do crédito consignado com o nome negativado. Como as parcelas são descontadas diretamente da sua folha de pagamento, o banco tem a garantia de que vai receber o dinheiro de volta.

Sendo assim, muitas instituições financeiras não negam o crédito se você está com pendências no nome porque consideram que existe uma fonte de renda para pagar as prestações do crédito.

Além disso, se você está negativado, provavelmente, não conseguirá outro crédito com facilidade, e o pior: as financeiras que emprestam dinheiro para quem tem o nome com restrições cobram taxas tão altas que fazem você pagar mais que o dobro do que pegou.

Se quiser mais comodidade e sigilo das informações, contate um correspondente bancário. Assim, você pode receber as informações diretamente pela internet, além de fazer a contratação também pela web.

Utilizar o crédito consignado para saldar as dívidas, com certeza, é uma decisão inteligente e que promoverá a economia dos seus recursos financeiros.